quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Rio (ou 10)

1.
Achei que eu era poça suja de cidade grande
Eu não era
Achei que eu era riacho de cidade pequena
Eu não era
Eu sou rio, apenas rio de lugar nenhum

Mas eu sempre quis ser mar
Então eu fui ser rio onde tinha tempestade
Pra fingir que eu tinha ondas
Que nem o mar

Eu sempre quis profundidade
E grandeza
Sempre quis a agitação
E o ir e vir
Sempre quis o pertencer a todo lugar
E a lugar nenhum
Sempre quis ser mar.

2.
Mas eu sou rio
Eu então decidi ser rio em dia de tempestade
Sempre em dia de tempestade
Era assim que eu sabia ser

Parecia mais profunda,
Parecia maior,
Parecia agitada.

3.
Ah, eu sempre me escondi
Atrás dessa grandeza forjada
Queria ser grande, então fingia que era o mar

Só que um dia a tempestade acaba
A minha acabou com a tua chegada

4.
Tu chegou e afastou a minha tempestade
Chegou e varreu pra longe as nuvens de chuva
Chegou e eu fiquei sendo rio
Sem tempestade pra me proteger
Sem nada pra fingir que eu era mar

5.
O que mantinha todo mundo aqui
O que fazia ficarem comigo
Era a tempestade que não deixava irem embora

Eu pensei que sem tempestade tu não ia ficar

6.
Mas não tinha tempestade nenhuma
Eu era só um rio de lugar nenhum
E tu ficou

Tu ancorou teu barco em mim
E ficou.

7.
Ficou e eu percebi que sou rio
Apenas rio
Profunda como um rio
Grande como um rio
Profunda o bastante
Grande o bastante

8.
Percebi que posso ser rio contigo
E seguir meu curso
E apenas fluir
Sem pensar que estou no caminho errado

Contigo não preciso de tempestade
Nem de ondas falsas
Nem de grandeza forjada

9.
E nos meus dias de tempestade
Quando a chuva chega,
E o vento vem junto
É em ti que encontro de novo minha calmaria

10.
Contigo posso ser rio
E ser rio é tão bonito quanto ser mar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário